segunda-feira, 19 de maio de 2008

pão doce

doce por suas palavras
por seus gestos e
seu coração. Doçura,
por suas mão sujas.

por seu silêncio acolhedor.
não entendia de economia, geografia e
tão pouco de negócios.
compreendia, sim, o ser humano.

humildade registrada em sua identidade,
olhar de criança sapeca
querendo brincar e sentir
a beleza da vida.

em dia de festa
se enfeitava todo para receber
seus amores e ser amado.
barba feita, água nos cabelos e sapato lustrado.

não sorria com os dentes,
sorria com todo o corpo.
com os braços, os olhos e
com seu grande coração.

coração maior nunca vi.
até na hora do adeus
quis poupar a tristeza
daqueles que amou.

eu não te vejo,
me esquece, me deixa,
para eu poder te esquecer
e te amar para sempre.

Um comentário:

Por Ricardo Cazarino disse...

Olá!...uma doce maneira de saborear as palavras...sentimentos belos como um simples pão doce...
Bjs